Tratamento da Depressão com Erva de São João

A Erva de São João (Hypericum perforatum) é uma planta de vida longa, com flores amarelas. O seu uso como medicamento foi registado na Grécia antiga. Contém muitos compostos químicos. Alguns são acreditados ser os ingredientes activos que produzem os efeitos da erva, incluindo os compostos e hipericina hyperforin.
Como estes compostos realmente funcionam ainda não está totalmente esclarecido, mas várias teorias têm sido sugeridas. Estudos preliminares sugerem que a erva de São João pode funcionar, impedindo as células nervosas do cérebro de reabsorver a serotonina, mensageiro químico, ou por redução dos níveis de uma proteína envolvida no funcionamento do sistema imunológico.
A Erva de São João tem sido usada durante séculos para as condições mentais, dores nos nervos, e uma grande variedade de outras condições de saúde. Hoje, a erva de São João é usada para a ansiedade, depressão leve a moderada e distúrbios do sono.
Na Europa, a erva de São João é amplamente prescrita para a depressão. Nos Estados Unidos, há um interesse público na erva de São João como um tratamento para depressão, mas não é um medicamento de prescrição.
A erva de São João é vendida em forma de:
• Cápsulas e comprimidos
• Chás – a planta seca ou parte da planta usada pelo seu sabor, odor ou potenciais propriedades terapêuticas. Inclui flores, folhas, frutos, cascas, sementes, caules e raízes, este chá pode ser bebido 3 vezes ao dia.                                                                                    • Extractos líquidos – produtos químicos específicos são removidos da erva, deixando os produtos químicos desejados numa forma concentrada. A dosagem é 1/4 a 1 colher de chá até três vezes ao dia.

Vamos responder a algumas perguntas frequentes sobre a erva de São João e a depressão, resumindo o que a ciência diz sobre a sua eficácia e a pesquisa que está a ser feita.

O que a ciência diz sobre a Erva de São João para a depressão
A evidência científica sobre a eficácia da erva de São João para a depressão é inconsistente. Uma análise dos resultados de 37 ensaios clínicos concluiu:

• Estudos sugerem que a erva de São João tem um benefício mínimo no tratamento da depressão grave. Um estudo feito pelo Centro Nacional para Medicina Complementar e Alternativa (NCCAM) relata que erva de São João não é mais eficaz do que o placebo no tratamento da depressão grave, moderada. Existe alguma evidência científica de que a erva de São João é útil para as formas mais leves de depressão, estes benefícios podem ser semelhantes aos dos antidepressivos. Em geral, a erva de São João parecia produzir menos efeitos colaterais que alguns antidepressivos padrão.

• A Erva de São João interage com certos medicamentos, e essas interacções podem limitar a eficácia de alguns medicamentos de prescrição.
• A Erva de São João não é um tratamento ‘comprovado’ para a depressão. Se a depressão não for tratada adequadamente, pode tornar-se grave e, em alguns casos, pode estar associada ao suicídio. Se desconfia que sofre de depressão, consulte um médico.                                                                                             • Informe o seu médico sobre qualquer prática complementar ou alternativa que estiver a usar. Isso ajudará a garantir assistência coordenada e segura.

Depressão
A depressão é uma condição médica que afecta quase 21 milhões de adultos norte-americanos a cada ano, de acordo com o National Institute of Mental Health. Humor, pensamentos, saúde física, e todos os comportamentos podem ser afectados. Sintomas de depressão geralmente incluem:
• Tristeza persistente, sentimentos de ansiedade ou “vazio”                                • Sentimentos de desespero e / ou pessimismo
• Sentimentos de culpa, inutilidade e / ou impotência
• Inquietação ou irritabilidade
• Perda de interesse ou prazer nas actividades de que gostava
• Fadiga e diminuição de energia
• Dificuldade de concentração, lembrar detalhes, e / ou tomar decisões
• Insónia, despertar matinal, ou sono excessivo
• Comer demais, ou perda de apetite
• Pensamentos suicidas, tentativas de suicídio
• Dores persistentes, dores de cabeça, cãibras, problemas digestivos que aliviam com o tratamento.
Os sintomas da depressão e a sua gravidade podem variar de pessoa para pessoa. Por exemplo:
• Na depressão grave ou profunda, o paciente tem sintomas que interferem com a sua capacidade de trabalhar, estudar, dormir, comer e ter prazer em actividades que antes gostava. Os sintomas duram pelo menos duas semanas, mas frequentemente duram vários meses ou mais.
• Na distímia (também chamada de transtorno distímico), uma forma menos grave, mas mais crónica de depressão, o paciente apresenta sintomas que não são tão incapacitantes, mas que o impedem de ´funcionar bem’ ou de se sentir bem. Os sintomas duram pelo menos 2 anos. Muitas pessoas com distímia também têm episódios de depressão grave.
• No transtorno bipolar (chamada de doença maníaco-depressiva), o paciente tem períodos de sintomas depressivos que se alternam ou podem coexistir com períodos de mania. Os sintomas de mania incluem níveis anormalmente altos de emoção e energia, pensamentos acelerados, e comportamentos impulsivos e pouco adequados.
• Existem formas mais leves de depressão que se enquadram na categoria de depressão leve. Na depressão leve o paciente experimenta os mesmos sintomas da depressão grave, mas em menor número e são menos incapacitantes. Os sintomas duram pelo menos seis meses, mas menos de dois anos de forma contínua.
A depressão pode ser tratada eficazmente com medicamentos convencionais, incluindo antidepressivos e certos tipos de psicoterapia.
Efeitos e riscos colaterais Os efeitos secundários mais comuns da erva de São João incluem, boca seca, tonturas, diarreia, náusea, aumento da sensibilidade à luz solar, e fadiga.
A pesquisa mostrou que tomar erva de São João pode limitar a eficácia de alguns medicamentos de prescrição, incluindo:
• Medicamentos antidepressivos
• Pílulas controle de natalidade
• Ciclosporina, um medicamento que ajuda a prevenir a rejeição do organismo de órgãos transplantados
• Digoxina, um medicamento usado para fortalecer as contracções do músculo cardíaco
• Indinavir e outros medicamentos utilizados para controlar a infecção pelo HIV
• Irinotecan e medicamentos anticancerígenos
• Varfarina e medicamentos relacionados utilizados para diluir o sangue (conhecidos como anticoagulantes)
Quando combinado com certos antidepressivos, a erva de São João também pode aumentar os efeitos colaterais como as náuseas, ansiedade, cefaleia e confusão.

Pesquisa sobre a Erva de São João

Os projectos recentes incluem estudos de:
• A segurança e a eficácia da erva de São João para o tratamento da depressão leve
• A segurança da erva de São João para o tratamento do transtorno de ansiedade social
• A eficácia da erva de São João para o tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo
• Os efeitos que a Erva de São João tem sobre as pílulas anticoncepcionais
• Possíveis interacções adversas da erva de São João e analgésicos narcóticos
• Segurança e eficácia da erva de São João sobre a deficiência de atenção e hiperactividade

 

Um novo estudo mostra que a erva de São João pode ser tão eficaz como os antidepressivos e com menos efeitos colaterais.
A emissão do British Medical Journal de 3 de agosto de 1996, contém uma análise de cerca de 25 estudos que sugerem que a erva de São João é tão útil como os medicamentos comummente usados, sem efeitos colaterais, como dores de cabeça ou vómitos. A Dra. Cynthia Mulrow, uma das autoras do estudo, diz que os resultados não são surpreendentes. “Alguns dos medicamentos usados ​​têm uma base de ervas ou de plantas e alguns foram desenvolvidos utilizando plantas.”
Os investigadores na Europa estudam a erva de São João há décadas. Os médicos na Alemanha têm prescrito esta erva para a depressão.

 

Estudos Clínicos
Foram realizadas experiencias em ratos infectados com um vírus semelhante ao HIV, foram medicados com o extracto da erva de São João. O progresso do vírus foi interrompido. Isso levou a testar em humanos e pacientes com HIV. Os resultados não são conclusivos, embora a informação relate uma melhora significativa em alguns pacientes.
A erva de São João contém hipericina, que inibe a monoamina oxidase, uma substância química corporal associada à depressão. Parece que a erva de São João não age sozinha. Como muitos medicamentos com base em ervas e plantas, a Erva de São João depende da complexa interacção de vários constituintes para as suas acções antidepressivas. Pacientes que sofreriam de depressão viram o seu apetite aumentar, mais interesse na vida, mais auto-estima e restauração de padrões normais de sono.

 

Precauções
Dr. Donald Brown, da Universidade Bastyr recomenda que pessoas com pele clara devem evitar a exposição ao sol forte e outras fontes de luz ultravioleta quando tomam erva de São João, porque foram relatados alguns casos de sensibilidade. Ele também aconselha evitar alimentos que contenham tiramina, bebidas alcoólicas e medicamentos como a tirosina, narcóticos, anfetaminas e, medicamentos antigripais em conjunto com a erva de São João. A erva de São João não deve ser tomada em conjunção com antidepressivos de prescrição. O Dr. Brown aconselha ainda que a erva de São João não deve ser utilizada durante a gravidez ou a lactação.
Se tiver pressão arterial alta, deve tomar as seguintes precauções se tomar a erva de São João:
1. Verifique a sua pressão arterial, pelo menos, semanalmente durante as primeiras seis semanas, após esse tempo verifique mensalmente.
2. Não coma alimentos que contenham tiramina.
Mesmo que não tenha a pressão arterial alta, não tome erva de São João com suplementos de aminoácidos (especialmente fenilalanina e tirosina). Os aminoácidos são uma forma de monoaminas, que podem representar um perigo quando misturado com a erva de São João. As monoaminas que ingere nas suas refeições diárias (como os aminoácidos da carne) são menos concentrados e não são um perigo.



3 Comentários to “Tratamento da Depressão com Erva de São João”
  1. Angela Araujo

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :