Cancro do útero

O que é o cancro do útero?

O cancro é uma doença em que algumas células do corpo não funcionam correctamente, dividem-se muito rapidamente e produzem demasiado ‘tecido’ que forma um tumor. Cancro do útero é um cancro no ventre, a cavidade, órgão em forma de pêra, onde o bebe cresce durante a gravidez da mulher. Existem diferentes tipos de cancro uterino. O cancro do endométrio e sarcomas uterinos. Nos Estados Unidos, o cancro do endométrio é um cancro comum do sistema reprodutivo feminino. Este tipo de cancro acontece quando o cancro começa no tecido de revestimento do útero (endométrio). Os Sarcomas uterinos ocorrem quando o cancro cresce nos músculos e outros tecidos de suporte do útero. Os Sarcomas uterinos representam apenas uma pequena parte dos cancros do útero.

O excesso de peso é um factor conhecido de risco para muitas doenças crónicas, como diabetes e doenças cardíacas. A obesidade também tem sido associada a um risco aumentado para o desenvolvimento de alguns cancros.
O útero

O útero é parte do sistema reprodutivo da mulher. É a cavidade, órgão em forma de pêra, onde o bebe cresce. O útero é na pelve, entre a bexiga e o recto.
A porção estreita e inferior do útero é o colo do útero. A parte ampla do meio do útero é o corpo, ou corpus. O topo em forma de cúpula, do útero, é o fundo. As trompas de Falópio estendem-se de cada lado do topo do útero até aos ovários.
A parede do útero tem duas camadas de tecido. A camada interna, ou forro, é o endométrio. A camada externa é tecido muscular chamado miométrio.
Em mulheres em idade fértil, o revestimento do útero cresce e engrossa a cada mês para se preparar para a gravidez. Se uma mulher não engravidar, a espessura, forro de sangue flui para fora do corpo através da vagina. Este fluxo é chamado de menstruação.

Os tumores podem ser benignos ou malignos:

• Os tumores benignos não são cancro. Normalmente, os médicos podem removê-los. As células dos tumores benignos não se espalham para outras partes do corpo. Na maioria dos casos, os tumores benignos não voltam depois de serem removidos. Os tumores benignos raramente são uma ameaça à vida.

• Os tumores malignos são cancro. Estes são geralmente mais graves e podem ser fatais. As células cancerosas podem invadir e danificar os tecidos e órgãos mais próximos. Além disso, as células cancerosas podem-se ‘desligar’ do tumor maligno e entrar na corrente sanguínea ou sistema linfático. É desta forma que células cancerígenas se espalham a partir do tumor original (primário) para formar novos tumores em outros órgãos. A propagação do cancro é chamada de metástase.

Quando o cancro uterino se espalha (metástase) para fora do útero, as células cancerosas são frequentemente encontradas nos gânglios linfáticos, nervos ou vasos sanguíneos. Se o cancro atingiu os gânglios linfáticos, as células cancerosas podem-se ter espalhado para os nódulos linfáticos e outros órgãos, tais como os pulmões, fígado e ossos.

Quando o cancro se espalha do seu lugar original para outra parte do corpo, o novo tumor tem o mesmo tipo de células anormais e por isso o mesmo nome que o tumor primário. Por exemplo, se o cancro do útero se espalha para os pulmões, as células do cancro do pulmão serão células de cancro uterino. A doença é metastática de cancro uterino, não é cancro do pulmão. É tratado como o cancro uterino e não cancro do pulmão.

O tipo mais comum de cancro do útero começa no revestimento (endométrio). Este é chamado de cancro do endométrio, cancro uterino, ou cancro do útero.

Quem corre o risco de ter cancro do útero?

Ninguém sabe as causas exactas do aparecimento do cancro do útero. No entanto, é evidente que esta doença não é contagiosa. Ninguém pode “pegar” cancro a outra pessoa.
A maioria das mulheres que têm factores de risco conhecidos não desenvolve cancro do útero. Por outro lado, muitas que desenvolvem a doença não têm factores de risco conhecidos. Os médicos raramente conseguem explicar por que umas mulheres têm cancro do útero e outras não.

Estudos constataram os seguintes factores de risco:

• Idade. O cancro do útero ocorre principalmente em mulheres com mais de 50 anos.
• Hiperplasia endometrial. O risco de cancro do útero é maior se a mulher tiver hiperplasia do endométrio.

• A terapia de reposição hormonal (TRH). HRT é usada para controlar os sintomas da menopausa, para prevenir a osteoporose (adelgaçamento dos ossos), e para reduzir o risco de doença cardíaca ou derrame.
As mulheres que usam estrogênio sem progesterona, têm um uma maior probabilidade de poderem vir a ter cancro do útero. As mulheres que usam uma combinação de estrogênio e progesterona tem um menor risco de cancro do útero do que as mulheres que usam só estrogênio. A progesterona protege o útero.

• O corpo produz algum do seu estrogénio no tecido adiposo. É por isso que as mulheres obesas são mais propensas do que mulheres magras a terem altos níveis de estrogênio nos seus corpos. Altos níveis de estrogênio podem ser a razão pela qual as mulheres obesas têm um risco aumentado de desenvolver cancro do útero. O risco desta doença também é maior em mulheres com diabetes ou pressão arterial elevada (condições que ocorrem em muitas mulheres obesas).

• As mulheres que tomam a droga tamoxifen para prevenir ou tratar o cancro da mama têm um risco aumentado de cancro do útero. O médico deve acompanhar as mulheres que tomam tamoxifen para prevenir possíveis sinais ou sintomas de cancro do útero.
Os benefícios do tamoxifen para tratar o cancro da mama são superiores ao risco de desenvolver outros cancros. Ainda assim, cada mulher é diferente, e cada caso deve ser discutido com o seu médico de família.

O cancro do útero ocorre geralmente após a menopausa. Mas também pode ocorrer em torno do momento em que começa a menopausa. Sangramento vaginal anormal é o sintoma mais comum do cancro do útero. As mulheres não devem assumir que o sangramento vaginal anormal é parte da menopausa.
Uma mulher deve consultar o seu médico se tiver algum dos seguintes sintomas:
• Sangramento ou descarga vaginal incomum

• Dificuldade ou dor ao urinar

• Dor durante a relação sexual

• Dor na região pélvica

Estes sintomas podem ser causados por cancro ou outras doenças menos graves. Na maioria das vezes pode não ser câncer, mas só um médico pode dizer com certeza.

Se uma mulher tiver sintomas que sugerem cancro do útero, o médico pode verificar os sinais gerais de saúde e pode pedir exames de sangue e urina. O médico também pode executar um ou mais dos exames ou testes seguintes:
• Exame pélvico – Para verificar a vagina, útero, bexiga e recto. O médico considera estes órgãos para ver se há presença de nódulos, ou alterações de formato ou tamanho. Para ver a parte superior da vagina e do colo do útero, o médico insere um instrumento chamado espéculo, na vagina.

• Teste de Papanicolau – O médico recolhe células do colo do útero e vagina superior, estas são examinadas num laboratório para verificar se existem células anormais. Embora o teste de Papanicolau possa detectar cancro do colo do útero, as células do interior do útero normalmente não aparecem num teste de Papanicolau. É por isso que o médico recolhe amostras de células do interior do útero usando um procedimento chamado biopsia.

• Ultra-som transvaginal – O médico insere um instrumento dentro da vagina. O instrumento visa ondas sonoras de alta frequência no útero. O padrão dos ecos que produzem cria uma imagem. Se o endométrio parecer ser muito grosso, o médico poderá fazer uma biopsia.

• Biopsia – O médico remove uma amostra de tecido do revestimento do útero. Um patologista examina o tecido para verificar as células cancerosas, hiperplasia, e outras condições. Por um curto período após a biopsia, algumas mulheres têm cólicas e sangramento vaginal.

Se for diagnosticado cancro do útero, o médico precisa de conhecer a extensão da doença para planejar o melhor tratamento. Isto é uma tentativa cuidadosa para descobrir se o cancro se espalhou e, em caso afirmativo, a que partes do corpo.

Na maioria dos casos, a maneira mais confiável para travar a doença é a remoção do útero (histerectomia). Após a remoção do útero, o cirurgião pode procurar sinais evidentes de que o cancro invadiu o músculo do útero. O cirurgião também pode verificar os gânglios linfáticos e outros órgãos da região pélvica para detectar sinais de cancro. Um patologista usa um microscópio para examinar o útero e outros tecidos removidos pelo cirurgião.

Características principais de cada estágio da doença:
• Fase I – O cancro está apenas no corpo do útero. Não está no colo do útero.
• Fase II – O cancro espalhou-se a partir do corpo do útero para o colo do útero.
• Fase III – O cancro espalhou-se para fora do útero, mas não fora da pelve (e não para a bexiga ou recto).

• Fase IV – O cancro espalhou-se para a bexiga ou recto. Ou estende-se além da pélvis para outras partes do corpo.

O tratamento geralmente começa dentro de poucas semanas após o diagnóstico. Haverá tempo para a mulher conversar com o médico sobre as suas escolhas de tratamento, obter uma segunda opinião, e aprender mais sobre o cancro do útero.

A escolha do tratamento depende do tamanho do tumor, e o estágio da doença. O médico também considera outros factores, incluindo a idade e a saúde em geral da mulher em causa.

As mulheres com cancro do útero têm muitas opções de tratamento. A maioria é tratada com cirurgia. Algumas têm a terapia de radiação, outras, terapia hormonal. Algumas pacientes recebem uma combinação de terapias.

O médico é a melhor pessoa para descrever as escolhas de tratamento e discutir os resultados esperados pelo mesmo.

A maioria das mulheres com cancro do útero, submetem-se a cirurgia para remover o útero (histerectomia) através de uma incisão no abdómen. O médico também remove as duas trompas de falópio e os ovários.

Os médicos usam dois tipos de radioterapia para tratar o cancro do útero:
• A radiação externa: É utilizada uma grande máquina (fora do corpo) para apontar radiação á superfície do tumor.

• A radiação interna: Em terapia de radiação interna, minúsculos tubos contendo uma substância radioactiva são inseridos através da vagina e deixados no local durante alguns dias. A mulher permanece no hospital durante o tratamento. Algumas pacientes necessitam de terapia de radiação externa e interna.
• A terapia hormonal envolve substâncias que impedem que as células cancerosas obtenham ou utilizem as hormonas de que precisam para crescer.



1 Comentário to “Cancro do útero”
  1. Leticia

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :