Sexualidade e qualidade de vida entre os jovens

Qualidade de vida entre os jovensDados dos últimos trinta anos indicam claramente que, durante os anos 1960, 1970, e até o início de 1980 houve um aumento significativo das experiências sexuais de adolescentes e ‘jovens adultos’, especialmente do sexo feminino. Este aumento foi acompanhado por uma liberalização das atitudes em relação à experiência sexual antes do casamento. O ‘código’ de namoro aprovado por ambos os sexos foi de uma aceitação da actividade sexual dentro de uma relação de carinho (Reiss, 1967). O sexo era visto como parte da expressão do amor e da intimidade (Storm & Storm, 1984).
Há evidências de que essa tendência continuou em 1990. Num estudo que compara a sexualidade dos adolescentes em 1970 e 1990, (Schmidt, Klusmann, Zeitzschel e Lange (1994) constatou que, embora a experiência sexual tenha diminuído nos últimos anos, tanto os adolescentes do sexo masculino e feminino, em 1990, estavam mais propensos a ligar sexo ao amor, do que os adolescentes de 1970. Boas experiências sexuais foram ‘ditas’ como sendo parte de relacionamentos satisfatórios, o que melhoravam a qualidade de vida global.
Essa mudança de atitudes sobre a experiência sexual também colocou pressão sobre os jovens para que se tornassem sexualmente experientes. O sexo era agora visto como uma parte natural de uma relação em desenvolvimento, e não uma experiência que deveria ocorrer depois. Ellis (1990) afirmou que, devido à pressão do grupo, expectativas irreais podem ser colocados sobre os jovens, em termos de desempenho sexual, que pode, por sua vez, causar ansiedade, entre adolescentes sexualmente inexperientes e dificultar a sua satisfação geral com a vida.
A pesquisa indica que os adolescentes, estão-se a tornar mais conservadores nas suas atitudes e comportamentos sexuais, e isso sem nenhuma relação directa a doenças sexualmente transmissíveis. (Roche, 1986; Roche & Ramsbey, 1993; Zani, 1991,Roche,1986) descobriram que homens e mulheres que tiveram um relacionamento em que namoraram uma única pessoa, por quem estavam apaixonados, relataram menor incidência de relações sexuais do que o relatado na década de 1970. A aceitabilidade das relações sexuais era ainda mais baixa. A explicação mais provável dessa mudança é que os adolescentes tenham modificado as suas atitudes em relação à sexualidade. O sexo é agora menos provável de ser usado como uma “solução rápida”, isto é, adolescentes e jovens adultos ‘de hoje’ são menos propensos a usar o sexo para preencher as lacunas emocionais nas suas vidas.
A relação entre a sexualidade e qualidade de vida durante a adolescência e jovens adultos não é clara. A pesquisa sugere que as primeiras experiências sexuais não são sempre gratificantes, especialmente para as mulheres (Finkel & Finkel, 1983; Kallen & Stephenson, 1982). (Darling e Davidson, 1986) relataram que 67% dos homens, mas apenas 28% das mulheres estavam psicologicamente satisfeitos com a sua primeira experiência sexual. Darling e Davidson, também avaliaram a satisfação psicológica com as actuais experiências sexuais e encontraram poucas alterações (81% dos homens e 28% das mulheres). Schmidt et al. (1994) descobriu que as mulheres (menos em 1990 do que em 1970) descreveram as carícias e relações sexuais como “satisfação sexual” ou “diversão”. Tendências semelhantes foram observadas para os homens, mas não eram tão marcantes como entre as mulheres. No entanto, o impacto de outros aspectos da sexualidade sobre o bem-estar geral dos adolescentes tem recebido pouca atenção.
A maioria dos adolescentes de ambos os sexos acham o ‘sexo’ um tema difícil de tratar, mas colocam-no bem abaixo da escola, amigos e encontros, em termos de importância nas suas vidas. Apesar do baixo nível de importância que dão ao sexo, as questões associadas com o sexo ainda lhes causam ansiedade, assim diminuído a sua qualidade de vida.
O objectivo do estudo foi explorar as associações entre a experiência sexual, sentimentos e necessidades dos jovens e as suas avaliações objectivas e subjectivas da sua qualidade de vida.
Os participantes foram 92 rapazes e 148 raparigas estudantes do primeiro ano de psicologia de uma grande universidade metropolitana da Austrália, suas idades variavam de 17 a 22 anos (média = 19,4 anos).

Sexo oral versus sexo vaginal entre adolescentes: percepções, atitudes e comportamentos Os jovens e a sexualidade

Apesar de estudos que indicam que uma proporção significativa dos adolescentes pratica sexo oral, o foco da maioria dos estudos empíricos e os esforços de intervenção sobre a sexualidade na adolescência têm-se centrado na relação sexual vaginal. Este estudo é o primeiro a investigar as percepções dos adolescentes no que diz respeito a: saúde social e emocional e consequências associadas com o sexo oral, em comparação com o sexo vaginal, bem como se os adolescentes vêem o sexo oral como mais aceitável e mais prevalente do que o sexo vaginal.
Os adolescentes avaliaram o sexo oral como um risco significativamente menor do que o sexo vaginal nas consequências com a saúde, sociais e emocionais. Também acreditavam que o sexo oral é mais aceitável do que o sexo vaginal para adolescentes da sua idade tanto em situações de namoro e não namoro. O sexo oral ameaça menos os seus valores e crenças.
Dado que os adolescentes entendem que o sexo oral é menos arriscado, mais prevalente, e mais aceitável do que o sexo vaginal, é lógico que os adolescentes são mais propensos a praticar sexo oral. É importante que os prestadores de cuidados de saúde e outros que trabalham com jovens, reconheçam esta tendência para que possam ampliar os seus serviços clínicos preventivos, que incluem triagem, aconselhamento e educação sobre sexo o oral.

Preparado ou não?
Estará o adolescente pronto para o sexo?
Um dos maiores erros sobre sexo é pensar que o coito vaginal “até ao fim,” é o único “sexo” verdadeiro “, e que é uma espécie de meta final da sexualidade, esse pensamento é falso. Também é falso pensar que o sexo heterossexual, coito vaginal, é a única actividade sexual que apresenta a possibilidade de riscos físicos e emocionais.
Esta ideia tem contribuído para, confusão e decepção de muitos que têm a primeira relação sexual ou qualquer outro tipo de sexo pela primeira vez, e querem saber onde estava o ‘fogo de artifício e as buzinas’ ‘, ‘porque ‘ não foi aquilo que pensavam que seria. Mesmo quando falamos de coito vaginal heterossexual, que normalmente é classificado como “próximo nível”, embora, em muitas relações, ou para muita gente, não pode haver qualquer espécie de nível a que se possa chamar de “próximo” ou “superior”, especialmente se um ou ambos os envolvidos não se sentirem realmente preparados. Pode ser um grande choque ter presumido uma actividade sexual como sendo sem risco e, em seguida, descobrir que apanhou uma infecção sexualmente transmissível, ou sentir alguma mágoa por ter feito algo que você pensava que não tinha nada a ver com o coração. A ideia de que a relação heterossexual é a única actividade sexual que merece atenção quando se fala de estar ou não pronto, pode excluir os gays, lésbicas ou bissexuais, dando a ideia que não importa se eles estão ou não prontos, isso não é verdade.
Para que qualquer tipo de sexo seja importante e gratificante, e tão bom quanto possível, será necessário antecipar, reconhecer e gerir os possíveis riscos – tanto os desejados como os indesejados.
Se estiver a considerar ter qualquer tipo de sexo genital, manual, oral, vaginal ou anal, pela primeira vez, faça um balanço, para ver onde se encontra, em termos de uma ‘ideal prontidão’.

Por que quero fazer Sexo?
Se qualquer um de vocês, o quer fazer, porque acha que deve ou deveria, porque o ‘outro’ o está a pressionar, está a receber pressão dos amigos, ou está a ter problemas no seu relacionamento e acha que o sexo vai corrigi-los, faça uma pausa. As relações sexuais entre as pessoas só devem acontecer quando ambos têm entusiasmo e activamente o querem, e não apenas porque acham que vai fazer a outra pessoa feliz. Outra coisa em que deve pensar, é se está a fantasiar sobre sexo baseado em filmes ou na televisão. Lembre-se dos desenhos animados Tom e Jerry, Tom podia bater contra uma parede e sair ileso, mas isso não se aplica na vida real! O mesmo acontece com o sexo que se vê no cinema e na televisão, nem sempre é o que parece.
Considere também, se o sexo «é o que você realmente quer do sexo». Noutras palavras, pense sobre o que está à procura em ter relações sexuais com outra pessoa, e se o que procura realmente é o sexo, em vez de, por exemplo, mais afecto físico em geral, valorização pessoal, uma forma de cimentar a sua relação, diminuir o risco de se sentir estagnado na sua vida, amizade ou outras coisas que certamente podem ser aspectos do sexo, mas que o sexo pode não realizar.

Por quem quero fazer Sexo?
Se for para si e também para o seu parceiro, fantástico. Mas se é para outra pessoa em primeiro lugar, e não para si mesmo – ou apenas para si mesmo – pare agora. As outras pessoas, tal como você, têm mãos e dedos, sabem como usá-los, e pode estar certo de que as têm usado, muito antes de você aparecer. O sexo com outra pessoa não deve ser apenas para auto-gratificação, é para isso que serve a masturbação. Se seus amigos lhe dizem que você deve fazer sexo, sem ter compreensão do seu relacionamento, ou das suas necessidades, são amigos falsos. Muitos amigos que pressionam outros amigos para fazer sexo, fazem-no porque não se sentem bem com as suas próprias escolhas, e fazem-no para se sentirem melhor.

O que espero do coito ou outro tipo de sexo genital?
É inteligente fazer um balanço das suas expectativas. Converse com um amigo que teve relações sexuais ou outro sexo genital, que seja realmente honesto (ou um irmão/a ou membro de família, mais velho) sobre o que você espera, e ouça as experiências dele. Ouça diversas perspectivas: a experiência sexual de uma pessoa pode, muitas vezes variar muito da de outra.
A verdade é que, se você tem uma lista de expectativas sexuais, é muito provável que não sejam todas cumpridas. O sexo muitas vezes não é o que esperamos. Seja a diferença entre as nossas expectativas e a realidade, positiva ou negativa. O coito ou outro tipo de sexo genital, não é uma cura milagrosa para nada, e nem sempre é um ‘show de fogo-de-artifício’: pode ser uma afirmação maravilhosa, natural de intimidade, e uma excelente experiência física e emocional, desde que esteja pronto para o praticar ao valor nominal, sem romantizar ou imaginar que seja algo que não é. O sexo que você tem com outra pessoa tende a ser um espelho do vosso relacionamento: se o relacionamento é péssimo, o sexo em si não é susceptível de ser melhor ou de melhorar o relacionamento.
Alguns estudos mostram: 30% das pessoas nunca mais têm relações sexuais com o parceiro com quem perdem a virgindade (isto é definido nos estudos de coito vaginal). Apenas cerca de 25% das mulheres relatam ter apreciando a sua primeira relação sexual, e menos de 8% relatam ter tido um orgasmo na primeira relação sexual. Não estava nada terrivelmente errado com essas pessoas, mas as suas expectativas fugiam à realidade. O sexo é uma daquelas coisas que tende a melhorar ao longo do tempo, que melhora com o tempo e experiência.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :