Quadris e ombros

Um exemplo de um corpo esteticamente desproporcional é o de quadris muito largos e ombros estreitos. Interpretação? Isso simboliza que o princípio feminino está predominando e que o princípio masculino está adormecido no interior dessa pessoa.

Melhor dizendo, seu instinto maternal é muito forte, mas sua coragem para ser independente é muito fraca. Mulheres assim são emocionalmente dependentes de pessoas com as quais convivem ou se relacionam: pai, mãe, sogros, marido, filhos, patrões, etc.

Em geral, guardam mágoas contra os pais e sentem-se desamparadas com muita freqüência. Procuram ser ativas, mas não conseguem ultrapassar o muro da independência. São ótimas mães, mas têm necessidade de liberdade. Sua sensualidade é forte, mas se seus lábios não forem carnudos, seus quadris servirão apenas para atrair o sexo oposto a fim de procriar ou para o sexo, mas não para um amor sensual, caloroso e duradouro. O homem, instintivamente, escolhe sua companheira pelo que diz o corpo dela. Se necessita de filhos e um lar aconchegante, “escolherá” a mulher de quadris largos, mas se estiver à procura de uma companheira que participe com ele de aventuras que envolvam esportes, viagens, pesquisas e trabalho, ainda que com altos e baixos, certamente optará por uma mulher com quadris mais estreitos, porém com ombros um pouco mais largos. Por outro lado, há aquele homem que prefere mulher de ombros largos porque vê nela um esteio para o sustento da casa. Lembre-se de que essas escolhas são instintivas, ou seja, inconscientes.

Quadris e ombros

Quando os quadris são da mesma largura ou mais estreitos que os ombros, isso simboliza que o princípio masculino é mais forte que o feminino em seu interior, isto é, essa mulher possui mais coragem e dinamismo que muitos homens e sua sensualidade não está totalmente dirigida para o lar. São mulheres independentes que, muitas vezes, preferem não ter filhos ou, se os têm, procuram libertá-los logo cedo. A mulher com ombros largos não se vê inferior aos homens e enfrenta a vida indo atrás de seus objetivos com firmeza. Geralmente não é feliz no amor, até que se conscientize que será com sua feminilidade que atrairá o homem que a amará de verdade. Tem medo de perder a liberdade e, com isso, inconscientemente, comanda seus hormônios no sentido de transformar seus quadris de forma a não atrair tipos de homens por demais caseiros ou possessivos. Em compensação, atrai homens não muito definidos em seu caráter ou em disciplina de vida . Veja que para ser feliz, sem medos ou frustrações, é necessário haver um equilíbrio no comportamento. Alcançando esse equilíbrio, o corpo também se tornará equilibrado e proporcional na estética, no peso e na altura.
Portanto, para que haja um emagrecimento proporcional e se alcance o peso ideal, que simboliza a harmonia do ser humano, é importante compreender que cada parte do corpo significa uma emoção e um comportamento específico da pessoa. O autoconhecimento – na linguagem do corpo – ajuda a reconhecer os erros de caráter e a corrigi-los.
Nos homens o processo é o mesmo: quadris largos simbolizam princípio feminino predominante, ou seja, são pessoas sensíveis, que se magoam com facilidade, porém revelam-se ótimas para cuidar do lar e dos filhos.

Ombros estreitos indicam ausência de ousadia e coragem

Esses homens, geralmente, colocam-se na posição de vítimas, acusando outras pessoas pelos seus fracassos na vida. Normalmente, agridem ou criticam as pessoas mais próximas, mostrando insegurança e medo de perder.

Quadris estreitos e ombros largos simbolizam o princípio masculino predominante. Portanto, são homens ousados que possuem muita coragem para enfrentar as dificuldades. É importante compreender que os princípios masculino e feminino fazem parte do ser humano e precisam estar em equilíbrio, isto é, tanto homem quanto mulher precisam ter sensibilidade e saber cuidar de um lar; e também coragem para enfrentar os desafios.

O homem que é dócil e acolhedor tanto quanto a mulher não é menos homem como julgam os preconceituosos e machistas. O preconceito gera determinadas emoções nocivas, acarretando mudanças hormonais tanto no homem quanto na mulher, transformando o formato do corpo como maneira de comunicação inconsciente e não-verbal entre os seres humanos. Muitos preconceitos surgiram a partir da Revolução Industrial, iniciada nos meados do século XVIII, quando a mulher passou a integrar a força de trabalho, para fortalecer a renda familiar e conquistar, com o tempo, a sua própria evolução profissional. Com isso, ela percebeu que era tão capaz como os homens no exercício de qualquer atividade remunerada. Essa mudança de comportamento foi interpretada pelo homem como uma séria ameaça ao seu domínio sobre as mulheres, não só na área trabalhista como, também, na condição de marido. Diante desse quadro, que é uma das causas, os problemas emocionais, os medos, a insegurança, a agressividade, as frustrações, as mágoas e conflitos entre homens e mulheres acabaram alterando o formato dos corpos, revelando toda essa desarmonia e falta de preparo psicológico que possibilitasse realizar e aceitar mudanças um no outro.

As desculpas são sempre as mesmas: é o marido reclamando da esposa que não procura compreendê-lo; ou por sufocá-lo em sua liberdade; ou por não cuidar, com carinho, de suas coisas; pelo ciúme exagerado; por não educar os filhos com responsabilidade e, até, pasme!, por estar gorda demais. É a esposa que se queixa da falta de amor, ou ausência por parte do marido, e acredita, até, na existência de outra. Ou “meu marido não me ouve”, lamenta-se. Daí transforma sua vida conjugal num inferno, aumentando ainda mais a frustração por ser impedida de trabalhar ou de fazer o que gosta. Parece até que não houve a evolução dos tempos, não é mesmo? Muitos evitam o casamento para não terem de se submeter a esses conflitos psicológicos. Mas nem tudo são trevas. Há casais felizes, que mantêm a harmonia através do diálogo, não de monólogos. São flexíveis em suas opiniões, porque o amor verdadeiro torna seus valores pessoais flexíveis, e se adaptam voluntariamente, sem esforço.

Acredito que você entende o que eu quero dizer com toda essa explanação, isto é, enquanto existir esse comportamento contraditório, radical, extremista, ou com inversão de posições entre homens e mulheres, os corpos jamais conseguirão alcançar o peso ideal sem que fiquem esteticamente desproporcionais. Quando digo inversões de posições, estou afirmando que a mulher deve lutar pelos seus ideais sim, mas antes deve, também, ser feminina, meiga e polida, sem ter de entrar em conflito com seu parceiro.
Ao passo que o homem deve ser forte, corajoso e dirigente, mas igualmente saber utilizar o seu lado mulher para amar o ser humano e poder compreender melhor as necessidades de sua esposa, sensibilizando-se sem medo de ser dominado pelas artimanhas femininas.

O respeito mútuo inclui compreender as diferenças naturais entre um homem e uma mulher, procurando, cada um, ceder um pouco e ser menos intransigente. Com isso a harmonia e a paz de espírito farão parte de suas vidas. Veja que para se obter um corpo belo e saudável torna-se necessária uma reforma comportamental, o que não é fácil conseguir da noite para o dia. Trata-se de um processo lento de conscientização de seus atos, de percepção e policiamento, sem traumas, mas com o desejo de ser a cada dia uma pessoa melhor.

Essa reforma é incompreensível para pessoas que acham que não há nada de errado com elas e que, portanto, não têm nada para mudar. As pessoas “donas da verdade”, porém, são as mesmas que vêem um inimigo em cada lugar que freqüentam e que ainda se dão o direito de acusar terceiros pelas mágoas em que vivem mergulhadas.

Se você, caro leitor, é um desses que se considera perfeito, sem qualquer problema físico, estético ou emocional, então não perca tempo manuseando este volume, até porque ele foi redigido para aqueles que querem evoluir espiritualmente, sem limites, e descobrir que somos grandes internamente e que possuímos a magia de poder transformar não somente nosso corpo físico, mas também o ambiente e o planeta no qual vivemos, para a felicidade de todos.

Atenção: o fato de o rosto emagrecer demais após uma dieta também tem seu significado dentro da fisiognomonia (arte de conhecer o caráter das pessoas pelos traços fisionômicos): rosto muito magro é indício de pessoa desconfiada e de temperamento pouco dócil.



Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :