Principais Nutrientes

Por meio de uma complexa actividade digestiva, o organismo transforma os alimentos e aproveita deles a totalidade disponibilizável dos nutrientes (substancias nutritivas, principais nutrientes), todos imprescindíveis para que funcione, construa, mantenha e refaça as suas estruturas e para que promova os actos da vida.

Os nutrientes agrupam-se em 7 familias: proteínas, hidratos de carbono, gorduras, minerais, água, vitaminas e complantix.

Outras substancias também interferem no funcionamento do organismo mas os conhecimentos a seu respeito ainda não são suficientes para as sistematizar em uma ou mais famílias. A activíssima investigação actual destaca o agrupamento dos flavonóides, que reúne antociamidinas, flavonas, flavonóis, catequinas e flavanonas. Todas estas substâncias provenientes de alimentos vegetais — fitoquímicos — possuem notável actividade antioxidante, ao que tudo indica, maior do que a desenvolvida pelo conjunto de caroteno, vitaminas C e E, e selénio. Em consequência, opõem-se à promoção e desenvolvimento de cancros, aterosclerose (em especial, doença coronária isquémica) e envelhecimento antecipado. Há ainda outros fitoquímicos não enquadráveis nos flavonóides, com actividade antioxidante e também anticancerígena, e outros, como os fitosteróis, que reduzem a absorção de colesterol pelo intestino.

A alimentação também pode fornecer álcool: não se considera nutrimento, embora conte para o balanço energético porque liberta calorias ao ser metabolizado.

Outro nutrimento imprescindível é o oxigénio fornecido pelo ar respirado. Do metabolismo celular resultam pequenas quantidades de oxigénio; apesar de muito importantes para fenómenos vitais e patológicos locais, são quantitativamente irrelevantes e não substituem o oxigénio do ar.

Para ser saudável, a alimentação deve fornecer, com regularidade, quantidades suficientes e proporcionadas de todos os nutrimentos porque a cada um compete um leque característico de funções intransferíveis. Por isso, é incorrecto hierarquizá-los: vitaminas ou proteínas não são mais importantes do que minerais ou complantix.

Dentro de limites estreitos, o organismo é capaz de transformar alguns nutrimentos noutros. Fá-lo sobretudo no caso de alimentação deficiente ou desequilibrada, quer dizer, quando recebe nutrimentos em quantidades insuficientes e desproporcionadas para as necessidades do momento. As transformações possíveis gastam energia, ocupam a capacidade funcional de sistemas metabólicos, desperdiçam nutrimentos e envelhecem o organismo.

Alimentação muito variada em proporções e quantidades adequadas facilita a eficácia nutricional; a monotonia dificulta-a e pode mesmo impedi-la; a monotonia com escassez impossibilita-a.

Quanto a funções, é tradicional classificar os nutrimentos em (a) energéticos, (b) plásticos e (c) reguladores.

(a) Gorduras e hidratos de carbono são, por excelência, os grandes fornecedores de energia (calorias).

As proteínas, ao serem degradadas, também libertam calorias; acontece quando consumidas em excesso, e quando destruídas após terem cumprido as suas funções.

O álcool também produz calorias ao ser degradado.

Mais nenhuma substância nutriente fornece energia.

(b) Proteínas e alguns minerais, como cálcio e ferro, desempenham funções plásticas; quer dizer, viabilizam, formam e mantêm matrizes estruturais.

Sem proteínas não formaríamos células e, portanto, nem tecidos e órgãos; não disporíamos de músculos; os ossos seriam apenas alavancas mortas; não teríamos pele nem olhos; aliás, não existiríamos.

Sem cálcio não possuiríamos esqueleto rígido capaz de fixar ligamentos e tendões. Sem ferro não beneficiaríamos de glóbulos vermelhos capazes de transportar e distribuir oxigénio.

A função plástica estende-se a outros nutrimentos, por sua vez com outros papéis. Sem água o peso corporal ficaria por menos de metade e os tecidos perderiam a turgescência característica. Sem galactose, hidrato de carbono proveniente do leite, o sistema nervoso não se formaria. Sem vitamina A a retina ocular não possuiria a arquitectura que possibilita ver. Sem invólucros gordos os órgãos não seriam almofadados e chocariam entre si.

(c) Vitaminas, minerais e água não libertam calorias ao degradarem-se; não são energéticos. Viabilizam, regulam e activam reacções e preparam o meio interno para elas.

Certos ácidos animados e gordos, constituintes, respectivamente, de proteínas e gorduras, denominados indispensáveis (porque o organismo não os sintetiza e, por isso, fica à mercê do seu fornecimento pelos alimentos), são também viabilizadores metabólicos; sem eles é impossível ordenar as cascatas de reacções que possibilitam a formação de estruturas e o seu funcionamento.

Os componentes do complantix são também reguladores. Em oposição a todos os demais nutrimentos, não são absorvidos. As suas múltiplas acções confinam-se ao tubo digestivo, regulando o funcionamento desde a boca ao ânus, interferindo nas trocas com o meio interno, e disciplinando a vida e a actividade dos milhões de germes que constituem a flora intestinal, nossa aliada ou agressora.

Depois desta introdução ao conhecimento dos nutrimentos é altura de perguntar para que serve a alimentação. Serve para o organismo:

  • Formar, conservar e reconstruir suas células, tecidos, órgãos, enzimas, hormonas e humores; desenvolver-se até ficar adulto; reparar as destruições que sofre permanentemente; possibilitar gravidez e aleitamento.
  • Manter-se vivo, isto é, realizar as reacções biológicas próprias e produzir calor de modo a manter a temperatura corporal dentro dos limites que permitem aquelas reacções.
  • Desempenhar actividades físicas, sensoriais e intelectuais próprias da vida de relação.
  • Criar reservas energéticas e nutricionais para emergências e intervalos entre refeições, e responder às exigências acrescentadas por doença e convalescença.
  • Fruir de normal funcionamento digestivo.

Para além de nutrir, a alimentação deve proporcionar prazer aos sentidos, qualidade-de-vida emocional e oportunidades de convivência.

A excreção de detritos (catabolitos) nutricionais realiza-se fundamentalmente pela urina (rins) e ar expirado (pulmões).

Pelas fezes rejeitamos água, componentes não alimentares ingeridos, restos não digeridos de alimentos, complantix tal e qual ou modificado por acção de germes intestinais, cadáveres de milhões de bactérias, alguns catabolitos, e materiais provenientes das paredes do aparelho digestivo.

Como as pessoas estão a chegar aqui:

 
  • yhs-psafe_br_001
  • principais nutrientes
  • principais nutrientes fornecidos pelos alimentos
  • OS PRINCIPAIS NUTRIENTES
  • quais os principais nutrientes


4 Comentários to “Principais Nutrientes
  1. Yasmin Maria da Silva
  2. jose rocha

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *