► Natureza      ► Truques Cozinha      ► Produtos Naturais      ► Receitas Rápidas      ► Viver com Qualidade

Os homens querem sexo com mais frequência do que as mulheres?

 

Como se comparam os Homens e as Mulheres relativamente ao Desejo sexual?

Os pássaros fazem, as abelhas fazem e, os homens também o fazem em qualquer circunstância. Mas as mulheres só o irão fazer se as velas perfumadas estiverem ‘a jeito’ – e se o seu parceiro tiver ‘lavado a loiça’. Um estereótipo é claro, mas será mesmo verdade? Os homens têm mesmo desejos sexuais mais fortes do que as mulheres?

Bem, dizem que sim. Estudo após estudo ilustra que o desejo sexual dos homens não é apenas mais forte do que o das mulheres, mas muito mais simples. As fontes de ‘libido’ das mulheres, pelo contrário, são muito mais difíceis de definir.
É sabedoria comum que as mulheres dão mais valor à ligação emocional como ‘faísca’ do desejo sexual. Mas as mulheres também parecem ser fortemente influenciadas por factores sociais e culturais. “O desejo sexual nas mulheres é extremamente sensível ao ambiente e ao contexto”, diz Edward O. Laumann, PhD, professor de Sociologia na Universidade de Chicago e autor de um estudo sobre as práticas sexuais.
Aqui estão sete padrões dos desejos sexuais de homens e mulheres.

Assassinos comuns do desejo sexual.

Os homens pensam mais em sexo.
A maioria dos homens adultos com menos de 60 anos de idade pensa em sexo pelo menos uma vez por dia. Apenas cerca de um quarto das mulheres relatam esse nível de frequência. Na medida que, os homens e as mulheres envelhecem, fantasiam menos, mas os homens continuam a fantasiar duas vezes mais do que as mulheres.
Num estudo detalhado que comparou o desejo sexual masculino e feminino, Roy Baumeister, um Psicólogo Social da Universidade Estadual da Flórida, descobriu que os homens relataram excitação sexual mais espontânea, fantasias mais frequentes e mais variadas.

Os homens procuram o sexo mais avidamente.
Os homens querem sexo com mais frequência do que as mulheres no início de um relacionamento, ao meio do relacionamento, e depois de muitos anos desse mesmo relacionamento”, conclusão de Baumeister, depois de rever vários inquéritos de homens e de mulheres. Isto não é apenas verdade para os heterossexuais, ele relata: os gays também têm maior frequência de relações sexuais do que as lésbicas, em todas as fases do relacionamento. Os homens também dizem que querem mais parceiras sexuais durante a sua vida, e estão mais interessados em sexo casual.

Os homens são mais propensos a procurar sexo mesmo quando este é desaprovado ou mesmo proibido:
• Cerca de dois terços dizem que se masturbam, embora cerca de metade também dizem que se sentem culpados por isso, afirma Laumann. Em contrapartida, apenas cerca de 40% das mulheres dizem masturbar-se, e a frequência da masturbação é menor.
• A prostituição é ainda um fenómeno de homens que procuram sexo com mulheres, e não o contrário.
• As freiras portam-se melhor que os padres em cumprir os seus votos de castidade. Baumeister cita uma pesquisa feita por Sheila Murphy, de várias centenas de clérigos em que 62% dos padres admitiram actividade sexual, em comparação com 49% das freiras. Os homens relataram mais parceiras, em média, do que as mulheres.

Os homens estão mais interessados em sexo do que as mulheres?
Embora este seja o pensamento geral, não é a regra, como muitas mulheres querem fazer crer. A ideia de que os homens têm desejo sexual mais forte e mais interesse sexual do que as mulheres, é em grande parte devido à sociedade que tradicionalmente é mais permissiva à libido sexual dos homens.

O desejo sexual da mulher está relacionado com o seu ciclo menstrual. Para muitas mulheres, o desejo intensifica-se durante a ovulação, para outras é na semana que estão menstruadas. Para os homens, o desejo sexual varia mais diário versus mensal e, é dependente dos níveis de testosterona. Nos homens os níveis de testosterona tendem a ser mais elevados durante a manhã.

É razoavelmente bem aceite que os homens estão mais focados na relação sexual e outros tipos de estimulação genital, diz Marita McCabe, professora de Psicologia da Universidade Deakin.
As mulheres, por outro lado são mais propensas a gozar “os percursos da relação sexual, pelo que geralmente para elas é melhor se, se sentirem ligadas ao seu parceiro.
A Prof. McCabe diz que as diferenças dos géneros, também são evidentes entre os homens e as mulheres, quando fazem queixas, relativas ao sexo. Os homens tendem a queixar-se sobre a frequência, enquanto as mulheres são mais propensas a queixarem-se da falta de intimidade no relacionamento.

Quente para o acto? Ou não?
Quando um parceiro quer mais sexo do que o outro, as tensões podem-se exaltar. Mas ‘libidos’ incompatíveis não precisam de significar o fim de um relacionamento que de outra forma é bom.
Você está progressivamente passando ao lado dos avanços sexuais do seu parceiro? Está-se a sentir pressionada e ressentida porque o seu parceiro quer mais sexo do que você? Ou, é você quem se sente pouco amada/o, frustrada/o e rejeitada/o porque o seu parceiro se recusa a fazer amor tão frequentemente quanto você deseja?

Se isto lhe parece familiar, você não está definitivamente sozinho. A pesquisa revela que as perturbações do desejo sexual são a queixa sexual relatada com mais frequência. A discrepância no desejo – ou diferentes níveis de interesse sexual – é vivida por cerca de 90% dos casais em alguma fase da sua relação.
Afinal, é altamente improvável que o seu desejo de comer, dormir, socializar, ou de fazer exercício seja sempre compatível com o do seu parceiro. Por que seria diferente relativamente ao sexo?

Um problema feminino?
A maioria dos terapeutas em relacionamentos concordam que o ‘baixo desejo sexual’ é um problema maior para as mulheres, mas os homens não ficam muito atrás. Uma pesquisa revelou que durante vários meses, num período de 12 meses, 33,4% das mulheres e 15,5% dos homens relataram a falta de interesse sexual.
Na fase da lua-de-mel dos nossos relacionamentos, o sexo acontece sem esforço e espontaneamente e sente-se desejo mútuo. Mas, depois de cerca de 18 meses, diferentes padrões sexuais podem começar a surgir. Pode ser confuso e desanimador e você poderá perguntar se vocês são realmente sexualmente compatíveis. Mas se você ainda ama e cuida do seu parceiro, você tem todas as probabilidades de realinhar a sua vida sexual.
O desejo cai por uma variedade de razões. Stress, fadiga, depressão, ansiedade, certos tipos de medicação e problemas de saúde podem contribuir para os problemas. As mudanças hormonais podem provocar que o nosso desejo pelo sexo se dessincronize e, qualquer ressentimento subjacente ou raiva com o seu parceiro também irá interferir com a sua motivação para se envolver sexualmente.

Tão simples quanto isto – simplesmente faça sexo
Um equívoco comum sobre o sexo é que devemos sentir desejo antes de o ‘fazer’, mas a opinião profissional é que se estivermos sempre à espera que isso aconteça, alguns de nós nunca mais teríamos relações sexuais.
Alguns terapeutas sexuais recomendam que o parceiro de ‘baixo desejo’ encontre “boa vontade” para fazer sexo – mesmo que não sinta desejo. Às vezes, é importante apenas ‘fazer’, mesmo que não sinta vontade. Depois de começar, muitas vezes se seguem o desejo e a excitação.
A boa vontade, baseia-se em sentimentos de bondade e respeito já existentes no relacionamento. Permite que se ‘abra’ para o seu parceiro e que experimente o sexo como um acto de amor ao invés de uma ‘performance’.
Mudar as nossas atitudes em relação ao sexo significa considerá-lo como uma fonte de prazer e intimidade, e não apenas como, erecções, orgasmos e coito. Ir ao encontro das necessidades um do outro pode expandir o seu reportório sexual e descobrir outras maneiras de se sentir emocionalmente e fisicamente perto.
Há muitos bons motivos para nutrir a sua vida sexual. O sexo pode ser reconfortante, carinhoso, afirmativo, divertido, ajuda-la a dormir, dar-lhe prazer, libertar a tensão, agradar o seu parceiro, dá-lhe uma sensação de bem-estar e promove a comunicação e proximidade.

Você também acha que os homens querem sexo com mais frequência do que as mulheres?

Artigos Relacionados:

Se gostou do Artigo:
clique aqui para subscrever a nossa newsletter
clique aqui para enviar por E-mail aos seus Amigos
Escrito por Saúde e Bem-Estar em A vida Sexual, Sexualidade e qualidade de vida
2 Comentários

Tags: , , , ,

 

Se você tem alguma sugestão ou dúvida, escreva um comentário.

2 pessoas comentaram a mensagem “Os homens querem sexo com mais frequência do que as mulheres?”

  1. Clara Silva diz:

    As mulheres de hoje, assumem a sua sexualidade sem preconceitos.
    São mais sexys e afirmam a sua sensualidade.
    Já lá vai o tempo em que as mulheres aceitavam sem “piar” ter sexo somente quando os seus maridos queriam e da forma que queriam !
    As aspirinas tomadas durante longos anos entraram nos genes e hoje as mulheres são imunes à “dor de cabeça” quanto ao acto sexual! Hoje elas querem sexo com mais frequência.
    Querem mais e mais bem feito !
    - Mais sensualidade e não ofensas
    - Mais preliminares;
    - Mais estimulos nas restantes zonas do corpo, os quais são fundamentais pois atingir o orgasmo não passa só pela penetração mas sim pela destreza do parceiro em descobrir as diversas zonas erógenas e a sua capacidade em estimulá-las.

    Agrada-me ver que os homens de hoje também chegaram à conclusão que uma relação sexual bem feita e com tudo o que se tem direito é bem mais agradável.

  2. Ricardo diz:

    Finalmente li um artigo onde da para acreditar em tudo o que esta escrito em relacao a necessidade sexual entre homem e mulher. Em 100% dos casos que conheco, os homens reclamam da falta de desejo em relacao a suas companheiras, isso e verdade tambem para mim.
    Em geral, dizem que ha equilibrio entre os sexos, mas eu nunca vi um homem reclamar que sua mulher tem mais disposicao para o sexo do que ele gostaria ou um homem conseguir alguma coisa fazendo greve de sexo.

Deixe um Comentário

Algum HTML é permitido.