O que são as doenças?

A doença é apenas uma forma de comunicação de nossos desejos frustrados. Somente quando houver vontade de aceitar que somos responsáveis por tudo o que nos acontece e aprendermos a nos desapegar das necessidades de posse, deixando a vida fluir com naturalidade, sem forçar situações ou resistir aos problemas, aí sim, a consciência perceberá que estava pensando pequeno em alguns setores da vida e provocando desajustes orgânicos. Ao soltar um problema e enxergá-lo sem ansiedade, sem medos, nem remorsos ou qualquer outra emoção, ele se transforma e sua vida também. A resistência em soltar algo que o aflige está no fato de acreditar cegamente que somente aquilo ou aquela pessoa pode fazê-lo feliz.
Reconheça, então, que você só se tornará infeliz se insistir em carregar em sua vida o fantasma do medo de perder. Quando você soltar e perder verá que insistia, teimosamente, em segurar o que não poderia fazer parte de sua vida, menos ainda de sua felicidade.
Mas se você soltar e não perder, aprenderá o que estou tentando lhe ensinar sobre o desapego e sobre a verdadeira felicidade. A física quântica comprova que o pensamento interfere diretamente na trajetória de nosso destino, pois pensamentos são vibrações que se deslocam instantaneamente, sem depender de tempo ou de espaço. Ou seja, assume formas, realiza sonhos, transforma ambientes, fabrica doenças e gera no corpo o que desejamos ou não, consciente ou inconscientemente. No Kojiki, o livro de mitologia japonesa, está escrito que a divindade Shiotsuchi ou Sumiyoshi fez um “barco sem espaço e sem tempo” e nele conduziu o príncipe Ho-hodemi ao palácio Ryugu no fundo do mar, onde há um infinto tesouro, conta Masaharu Taniguchi em A verdade da vida. As crenças arcaicas que nos foram legadas a respeito de nós mesmos, tornaram-se uma grande parede ilusória que não nos permite enxergar que somos livres e poderosos e que com o simples fato de pensar realiza-se o bem ou o mal em nossas vidas. Daí pode-se compreender que acreditar em fatalidade é, na verdade, falta de conhecimento das leis físicas e das leis do Universo. Aquilo em que acreditamos, pensamos ou tememos, torna-se realidade: é a lei de atração dos semelhantes. Para curar-se de uma doença, você pode recorrer a vários métodos tradicionais, sejam eles religiosos, holísticos, alternativos, ou mesmo através de auto-sugestão, mas jamais se curará do ato de criar doenças enquanto acreditar que as mesmas têm vida própria e que, a qualquer momento, poderá surgir uma nova para derrubá-lo.
Compreender que a doença é o reflexo de seu comportamento, palavras, pensamentos e sentimentos, já será um grande passo para a sua evolução, mas aprender a amadurecer o amor, o desapegado e exercitar os pensamentos, criando acontecimentos de harmonia, ignorando as aparências dos problemas atuais (que são reflexos do comportamento), aí, então, você estará no caminho da salvação e livre de sua própria ignorância que lhe causava tanta dor.

Mexa-se e use seu pensamento para mover sua vida. Pare de tentar controlar pessoas e acontecimentos e corrija-se a si mesmo e não aos outros. O poder do silêncio, a alegria e o amor desapegado curam mais do que choros. Acalme seu coração. Aceite e acredite que ao passar por tudo – seja de bom ou de ruim – aumenta o seu crescimento interno e o amadurecimento da alma. Pare de ser tão racional e entenda que a felicidade não depende de nada e de ninguém para existir, uma vez que ela já existe em sua essência, e não será sentida enquanto houver desarmonia e medos devido ao apego a coisas e pessoas. Olhe ao seu redor, com os olhos da alma, e você sentirá vergonha por estar brigando tanto por coisas que não representam a verdadeira felicidade. Solte o que for! Dê uma chance a si mesmo de alcançar um nível superior de consciência para experimentar outros sabores que, com certeza, quem carrega problemas não conhece.
Aconselho ler o livro Espaço, tempo e além, de Bob Toben e Fred Alan Wolf. Os autores são físicos que explicam, através da física quântica, como as coisas e os acontecimentos de nossa vida oconem, criados por nós mesmos, e como a realidade em que vivemos, e que parece tão concreta, pode ser transformada com a consciência.
Daniel G. Amen, neurologista clínico e psiquiatra, afirma no livro Transforme seu cérebro, transforme sua vida:

A maioria das pessoas não entende como os pensamentos são importantes e deixam ao deus-dará o desenvolvimento de padrões de pensamento. Você sabia que seus pensamentos enviam sinais elétricos que percorrem todo o seu cérebro? Os pensamentos têm verdadeiras propriedades físicas: são reais e têm influência significativa em cada célula de seu corpo!

A verdade é que os cientistas da atualidade dão nomes às suas descobertas sobre o poder do pensamento. Entretanto, essas “descobertas” já eram, há milhares de anos, conhecidas e plenamente dominadas, com sabedoria, pelos avatares, gurus, filósofos e outros pesquisadores da mente humana. O que importa é que esse assunto, muito breve, após devidamente comprovado pela ciência médica, seja anunciado e esclarecido em escolas, hospitais e pela mídia, para que o homem recorra a esses conhecimentos na busca de suas curas.

 

 Parecem exageradas tais afirmações, não é mesmo? Pois bem,

então permita-me, que eu coloque a seguinte questão: o que seria mais exagerado, uma pessoa acometida de câncer manter toda a sua família sob um clima de terror por não conhecer a verdadeira causa psicológica de sua doença, ou ter aulas práticas e teóricas sobre novos padrões mentais, que gerariam sentimentos que a levariam à cura? Devemos ajudar essas pessoas a compreenderem que a inversão de valores é uma crença. E toda crença é apego e não há expansão de conhecimento, ou seja, acredita-se que, ao adoecer ou sofrer lesões no corpo através de acidentes, geram-se determinadas emoções negativas, tais como raiva, mágoa, desânimo, tristeza, hipersensibilidade, quando na realidade acontece exatamente o inverso. Ocorre que a pessoa, pelo seu orgulho, ou medo, já estava alimentando certas emoções negativas, o que projetou em seu corpo aquilo que já existia em seus sentimentos. No sentido figurado diríamos que ela entra numa espécie de looping de emoção-doença-emoção, onde a origem real de tudo confunde-se na consciência.



1 Comentário to “O que são as doenças?”
  1. ruth ferreira

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :