O alho

Apreciado já pelos antigos egípcios, o alho tem sido aproveitado para tratar todo o tipo de afecções, desde a lepra às hemorróidas. Modernamente, os estudos têm-se concentrado no aproveitamento do seu potencial para diminuir o risco de doenças cardíacas e do cancro.

Pode baixar os níveis de colesterol, Reduz a coagulação do sangue, Combate a infecção, Reforça a imunidade, Pode prevenir certos cancros, Pode produzir uma ligeira baixa da tensão artéria, Combate as infecções por fungos

ATENÇÃO!
Consulte o médico se estiver a tomar medicamentos para evitar os coágulos no sangue (anticoagulantes como a aspirina) ou para diminuir a tensão alta (anti-hipertensores): o alho pode intensificar os efeitos destas drogas.

O alho é apreciado há milhares de anos pelas suas faculdades terapêuticas. No Egipto, os construtores de pirâmides tomavam-no para lhes dar força e resistência; no século xix, Louis Pasteur aprofundou as suas propriedades antibacterianas, e durante as duas guerras mundiais os médicos utilizaram-no para tratar os ferimentos de batalha. O alho é parente da cebola, da chalota e de outras plantas do género Allium. Toda a planta é odorífera, mas o aroma mais forte concentra-se no bolbo, sede das qualidades curativas e do sabor do alho.
A maioria dos benefícios do alho para a saúde deriva dos seus mais de 100 compostos de enxofre. Quando se tritura ou mastiga o bolbo, a aliína, um daqueles compostos, transforma-se em alicina, o agente responsável pelo odor e efeitos terapêuticos do alho. Por sua vez, parte da alicina é decomposta em outros produtos sulfurosos, também com propriedades medicinais. Cozinhar o alho inibe a formação de alicina e elimina algumas das outras substâncias terapêuticas.

Propriedades

Principalmente as propriedades antiagregante plaquetária, bactericida e antifúngica;

Como actua

Diminuição do colesterol no sangue, controlo da tensão arterial, aumento da capacidade imunológica e controlo da actividade gastrointestinal;
Tradicionalmente, o alho tem sido utilizado para tratar grande diversidade de afecções e doenças. Actualmente, os investigadores concentram-se sobre o seu potencial para reduzir os riscos de doença cardíaca e cancro.

PREVENÇÃO: A grande utilização do alho na cozinha mediterrânica pode explicar em parte a razão de países como a Espanha e a Itália revelarem tão baixa incidência de aterosclerose.
Vários estudos sugerem que o alho pode prevenir as doenças cardíacas por diversas formas. Por exemplo, diminui as probabilidades de as plaquetas (as células envolvidas na coagulação do sangue) se aglomerarem e agarrarem às paredes das artérias, pelo que reduz o risco de ataque cardíaco. Há provas de que a planta dissolve as proteínas formadoras de coágulos implicadas no desenvolvimento da placa ateromatosa. O alho também faz baixar ligeiramente a tensão arterial, principalmente por alargar os vasos sanguíneos, permitindo que o sangue circule mais livremente. As conclusões de estudos recentes sobre os efeitos do alho no colesterol não são bem claras, mas a maioria dos médicos partidários dos suplementos nutricionais pensa que vale a pena experimentar o alho em combinação com outros suplementos que baixam o colesterol.

OUTROS BENEFÍCIOS: O alho pode possuir propriedades anticancerosas. Tem-se verificado particularmente eficaz na prevenção dos cancros do tracto digestivo e, possivelmente, nos da mama e da próstata, mas não é clara a forma como o faz. Podem estar envolvidos vários mecanismos: por exemplo, a planta poderá aumentar o nível de enzimas que desintoxicam os agentes que desencadeiam o cancro. O alho bloqueia a formação dos nitritos associados ao cancro do estômago e estimula o sistema imunitário. São também importantes as suas propriedades antioxidantes.
O alho é muitas vezes eficaz contra vírus, bactérias e fungos, pois a alicina bloqueia os enzimas que tornam esses organismos capazes de invadir e danificar os tecidos. Tem-se igualmente verificado que a planta inibe os fungos responsáveis pelo pé-de-atleta.

DOSAGEM: Procure suplementos que forneçam 4000 mcg de alicina por comprimido, aproximadamente o mesmo que um dente de alho fresco.

Para a saúde em geral e contra o colesterol elevado-. Tomar diariamente um suplemento de alho de 400 a 600 mg.

Contra as constipações e gripe-. Tomar um suplemento de 400 a 600 mg de alho quatro vezes por dia.

Para benefícios tópicos-. Aplique óleo de alho duas a três vezes por dia. Certas afecções da pele, incluindo verrugas e picadas de insectos, podem responder ao óleo de alho ou a um dente de alho cru esmagado e aplicado sobre a área afectada.

UTILIZAÇÃO:

Pode ingerido sob a forma de chá ou como condimento. O consumo aconselhado é de até um dente de alho. No entanto, se o utilizar para problemas do colesterol, meça os níveis deste ao fim de três meses para ver se houve alterações; se não tiver obtido benefícios, aconselhe-se ¡unto do seu médico.

Possíveis efeitos secundários

O uso excessivo pode provocar dores de cabeça, tonturas, náuseas, cólicas, vómitos e diarreias. Para obter todos os benefícios do alho fresco, este deve ser ingerido cru.
Algumas pessoas sofrem de indigestão, gases intestinais e diarreia quando tomam doses elevadas de alho. Usar cápsulas ou comprimidos revestidos pode reduzir a indigestão. Podem também verificar-se erupções cutâneas.

Muitos especialistas crêem que os suplementos à base de alho em pó são os mais eficazes.
A cobertura entérica evita o hálito a alho e permite que o suplemento atravesse o estômago sem ser digerido, o que assegura a formação de alicina.
Os preparados de alho que sofreram desodorização parecem ter os mesmos benefícios que os suplementos normais.

Num estudo laboratorial, os investigadores descobriram que o extracto de alho neutralizava o Helicobacter pylori, bactéria que provoca as úlceras pépticas. Resta verificar se o alho fará o mesmo no organismo.
O alho pode prevenir o endurecimento da aorta que ocorre com a idade. Num estudo, cerca de 200 pessoas tomaram diariamente, durante dois anos, suplementos de alho ou um placebo. No final, as aortas das pessoas de 70 anos do grupo que tomava alho estavam tão flexíveis como as das pessoas de 55 anos que não tinham tomado o suplemento. Uma aorta flexível pode ajudar a diminuir os danos resultantes da idade.



Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :