As crises de asma

O que é a Asma

(Asma brônquica, doença pulmonar hiper reactiva reversível)

A asma é uma doença crónica em que os brônquios reagem de forma excessiva a substâncias ou circunstâncias normalmente inofensivas. Quando estas substâncias desencadeantes contactam com os brônquios, estes contraem-se (broncoconstrição), impedindo o fluxo normal de ar (para dentro e para fora) dos pulmões. Passado muito pouco tempo, os brônquios são sede de um processo inflamatório, e as membranas que os revestem segregam um muco viscoso. O resultado é uma respiração difícil e ruidosa, acompanhada de tosse.  As crises de asma graves podem mesmo pôr a vida do doente em perigo.

Porque ocorre?

A crise de asma ocorre quando os músculos que controlam os bronquíolos dos pulmões se contraem, dificultando o fluxo do ar de e para os alvéolos. Depois, as vias respiratórias inflamam-se, ficando obstruídas por muco.

Causas

As substâncias que causam a asma variam de pessoa para pessoa; algumas das mais vulgares são alérgenos, como o pólen, o pêlo de animais e o pó das casas; substâncias irritantes, como poluição do ar, fumo de tabaco, perfumes e substâncias químicas; ar frio; certos alimentos e aditivos alimentares; aspirina e medicamentos afins; ansiedade e stress, e, finalmente, o exercício vigoroso.
Não se sabe por que razão os pulmões de algumas pessoas se tornam hiper sensíveis, embora pareça existir uma predisposição hereditária. Muitas pessoas pensam que os problemas emocionais são uma das causas principais, mas os cientistas não os consideram importantes. A asma é uma doença difícil que pode provocar problemas emocionais. O stress pode provocar uma crise, mas a asma não é um distúrbio psicológico. Embora a asma seja diferente de uma reacção alérgica, as alergias podem estar envolvidas e também podem desencadear crises.

Quando começa?

Mais vulgar nas crianças, a asma diminui muitas vezes de intensidade durante a adolescência, podendo chegar a desaparecer completamente. Não é raro que os adultos sofram uma recorrência depois de anos sem uma única crise. É frequente este recomeço verificar-se na sequência de uma infecção respiratória.

Diagnóstico e exames complementares

Uma respiração ruidosa e outros sintomas podem sugerir asma, mas são necessárias provas da função respiratória. O doente começa por fazer uma espirometría, que mede a quantidade de ar inspirado e expirado pelos pulmões em circunstâncias diferentes. A espirometría é combinada por vezes com exames especiais para identificar os factores específicos que desencadeiam a asma e medir a eficácia dos medicamentos. Nesses exames, o doente é exposto ao factor que, pensa-se, desencadeia a crise, e o seu efeito é medido através de espirometría.

Tratamento médico

Os médicos abordam o tratamento da asma com dois objectivos principais: evitar as crises e resolver qualquer crise o mais depressa possível. A prevenção implica ensinar os doentes a controlarem a sua doença com medicamentos, alterações do estilo de vida e, cada vez mais, medicinas alternativas.
Os asmáticos aprendem a utilizar o peak-flow meter, um aparelho simples que mede a quantidade máxima de ar expirado dos pulmões após uma inspiração profunda. Uma descida na quantidade de ar expirado alerta para a iminência de uma crise; um aumento dos valores indica que a terapia está a resultar. O tratamento imediato com bronco-dilatadores, destinados a abrir as vias respiratórias durante uma crise de asma, costuma resolvê-la antes de o estado do doente se tornar crítico. Os medicamentos mais vulgarmente receitados para a asma são:

O que é a Asma

(Asma brônquica, doença pulmonar hiper reactiva reversível)

A asma é uma doença crónica em que os brônquios reagem de forma excessiva a substâncias ou circunstâncias normalmente inofensivas. Quando estas substâncias desencadeantes contactam com os brônquios, estes contraem-se (broncoconstrição), impedindo o fluxo normal de ar (para dentro e para fora) dos pulmões. Passado muito pouco tempo, os brônquios são sede de um processo inflamatório, e as membranas que os revestem segregam um muco viscoso. O resultado é uma respiração difícil e ruidosa, acompanhada de tosse. Uma crise grave pode mesmo pôr a vida em perigo.

Porque ocorre?

A crise de asma ocorre quando os músculos que controlam os bronquíolos dos pulmões se contraem, dificultando o fluxo do ar de e para os alvéolos. Depois, as vias respiratórias inflamam-se, ficando obstruídas por muco.

Causas

As substâncias que causam a asma variam de pessoa para pessoa; algumas das mais vulgares são alérgenos, como o pólen, o pêlo de animais e o pó das casas; substâncias irritantes, como poluição do ar, fumo de tabaco, perfumes e substâncias químicas; ar frio; certos alimentos e aditivos alimentares; aspirina e medicamentos afins; ansiedade e stress, e, finalmente, o exercício vigoroso.
Não se sabe por que razão os pulmões de algumas pessoas se tornam hipersensíveis, embora pareça existir uma predisposição hereditária. Muitas pessoas pensam que os problemas emocionais são uma das causas principais, mas os cientistas não os consideram importantes. A asma é uma doença difícil que pode provocar problemas emocionais. O stress pode provocar uma crise, mas a asma não é um distúrbio psicológico. Embora a asma seja diferente de uma reacção alérgica, as alergias podem estar envolvidas e também podem desencadear crises.

Mais vulgar nas crianças, a asma diminui muitas vezes de intensidade durante a adolescência, podendo chegar a desaparecer completamente. Não é raro que os adultos sofram uma recorrência depois de anos sem uma única crise. É frequente este recomeço verificar-se na sequência de uma infecção respiratória.

Diagnóstico e exames complementares

Uma respiração ruidosa e outros sintomas podem sugerir asma, mas são necessárias pro-
vas da função respiratória para Alvéolos se diagnosticar com segurança. O doente começa por fazer uma espirometría, que mede a quantidade de ar inspirado e expirado pelos pulmões em circunstâncias diferentes. A espirometría é combinada por vezes com exames especiais para identificar os factores específicos que desencadeiam a asma e medir a eficácia dos medicamentos. Nesses exames, o doente é exposto ao factor que, pensa-se, desencadeia a crise, e o seu efeito é medido através de espirometría.

Tratamento médico

Os médicos abordam o tratamento da asma com dois objectivos principais: evitar as crises e resolver qualquer crise o mais depressa possível. A prevenção implica ensinar os doentes a controlarem a sua doença com medicamentos, alterações do estilo de vida e, cada vez mais, medicinas alternativas.
Os asmáticos aprendem a utilizar o peak-flow meter, um aparelho simples que mede a quantidade máxima de ar expirado dos pulmões após uma inspiração profunda. Uma descida na quantidade de ar expirado alerta para a iminência de uma crise; um aumento dos valores indica que a terapia está a resultar. O tratamento imediato com bronco-dilatadores, destinados a abrir as vias respiratórias durante uma crise de asma, costuma resolvê-la antes de o estado do doente se tornar crítico.



3 Comentários to “As crises de asma”
  1. marcos mauricio
  2. ana celia
  3. adriano

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :