Tensão pré-menstrual e menopausa

Tanto a TPM como a menopausa fazem parte de um mesmo processo psicológico.

“Por que as mulheres são tão esquisitas e confusas?”, indaga, frustrada e irritada, a maioria dos homens. E concluem: “Às vezes mostram-se tão recatadas, sedutoras, cheias de graça e, de repente, tornam-se irritadiças, agressivas, chatas, ciumentas, briguentas, inseguras, quando não, distraídas e ausentes. Positivamente, as mulheres são bichos estranhos e inconstantes!” É essa a imagem que os homens fazem de nós, mulheres, por desconhecermos os nossos próprios botões de controle emocional. As informações médicas que nos bombardeiam, negativamente, fortalecem a crença de que somos movidas a hormônios e que nada podemos fazer se não for à base de tratamento médico ou de psicoterapia.

Comportamento pré-menstrual e menopausa

Realmente, a poucos dias do período menstrual o cérebro da mulher transforma-se física e psicologicamente em função das alterações hormonais. O comportamento difere de mulher para mulher. Algumas sentem-se mal, ficam deprimidas, tristes, ansiosas, preocupadas, distantes socialmente. Outras mostram-se agressivas, possessivas, controladoras e negativas. E, como num passe de mágica, apenas uma semana após o início do ciclo menstrual, tudo volta à normalidade: a mulher recupera seu equilíbrio emocional, “junta os cacos” e passa a avaliar o resultado de sua agressividade quando gerou profundas mágoas e conflitos no coração de seu companheiro ou de outras pessoas.

É como se fora possuída por uma força maior, cegando-a e controlando-a em suas atitudes e pensamentos

Deve-se esse comportamento imprevisível (ou previsível) à nossa forte tendência em acreditar que tudo que vemos, ouvimos ou sentimos durante essa fase é a realidade, isto é, que tem de ser assim. O pior é que, involuntariamente, exageramos nas emoções. Mesmo que queiram nos ajudar para que mudemos os nossos pensamentos, entendemos que estão, na verdade, procurando nos enganar e passamos a atacá-los para defender nossa verdade.

Desperte para o seguinte fato: o inimigo não está do lado de fora, mas dentro de nós, em nosso próprio sangue. Querida amiga, saiba que hormônio, em latim, significa humor, e que os hormônios podem alterar nosso humor e vice-versa. Essa oscilação de humores nos leva a perder de vista a saída e o autocontrole necessários para o nosso próprio equilíbrio. O inconsciente recebe cargas emocionais que se alternam entre as mais sutis, às mais marcantes, e reage exatamente como um espelho: reflete em nosso corpo, tanto interna quanto externamente, tudo que foi guardado em termos de emoções. Cedo ou tarde ele acaba nos devolvendo, através de atitudes, palavras e pensamentos, aqueles sentimentos reprimidos no passado ou no presente.

Eu costumo, em minhas palestras, comparar o alcoólatra às mulheres. Calma, eu explico!

O ébrio tem seu estado de consciência alterado, ou melhor, anestesiado, o que permite ao inconsciente colocar para fora o que ele, realmente, sente e pensa da vida (em tese, o que ele tem reprimido): tristeza, mágoas, frustrações e outros sentimentos de culpa, oriundos de sua infância, ou já na fase adulta, coisas que ele não pode e não consegue manifestar quando sóbrio.
Na verdade, o alcoólatra só consegue ser ele mesmo quando bebe, porque não tem elaborado em sua consciência o autoconhecimento, a chave para desviá-lo das opressões “externas”, muitas vezes geradas por suas próprias alucinações. Da mesma forma, a mulher na TPM, por analogia, é como se estivesse embriagada, não sob o efeito do álcool, obviamente, mas pelos hormônios que, igualmente, reprimem sua consciência e liberam seu inconsciente.

Nunca agem do nada, mas sofrem uma complexa e estranha combinação de crendices, frustrações e mágoas, empurradas para dentro de si mesmas ao longo dos anos e esquecidas, conscientemente, por não saberem como lidar com esses sentimentos que acabam aflorando durante a fase pré-menstrual. Como não reconhece essas emoções, a mulher acredita que está apenas desequilibrada em conseqüência do ciclo. Saiba que a menstruação em si, além da limpeza uterina, processa também a limpeza de um subconsciente carregado. A dádiva de poder ser feliz através da menstruação deve ser compreendida por todas as mulheres para que se tornem aliadas dos hormônios e não suas escravas.

Ciclo menstrual

O ciclo menstrual deve ser visto como uma rara oportunidade de conhecermos o lixo que guardamos no subconsciente e assim podermos trabalhá-lo dentro de nossas mentes, produzindo o perdão, o desapego, e sentirmos o poder da criatividade que possuímos.

Como mulher, garanto: todas as vezes que você sentir raiva ou tristeza durante o ciclo, reflita e pergunte para si mesma – o que preciso compreender ou soltar? Com certeza seu coração lhe dirá e você se acalmará, pois estará solucionando algo interno, mal resolvido, com seu parceiro ou alguém da família. Com essa atitude sensata você descobrirá que os hormônios são apenas exércitos comandados pelo seu subconsciente e terá a oportunidade de perceber-se e esforçar-se para perdoar acontecimentos antigos, soltar pessoas, deixando-as viver como querem. Vai aprender, também, que o verdadeiro amor não é dono de nada e de ninguém, mas deixa fluir a vida como as águas da fonte.

Com esse processo de liberdade da alma, as futuras menstruações e a menopausa vão aproximar-se sem traumas ou guenas internas e você, mulher, vai sentir-se cada vez mais grata e feminina quando o ciclo chegar ou quando chegar a hora de cessar. Quanto mais soltarmos nossos apegos e deixarmos de controlar pessoas e coisas, mais entenderemos que ninguém pode nos fazer mal. Desde que não vejamos o fato como mal, então estaremos livres de doenças, infortúnios e, principalmente, da incômoda TPM.

LPMS (limpeza pré-menstrual do subconsciente) ou PPM (purificação pré-menstrual)

Na minha opinião, esse ciclo deveria chamar-se LPMS (limpeza pré-menstrual do subconsciente) ou PPM (purificação pré-menstrual).

A psicologia explica: quando repudiamos algo é porque nos identificamos, de alguma forma, com a coisa repelida. A negação é um mecanismo de defesa contra a verdade que dói. Por isso, muitas mulheres abominam a época de sua menstruação. Para elas é realmente difícil fazer mudanças internas de libertação de pessoas, acontecimentos e coisas. Contudo a TPM sempre ocorrerá com mulheres de temperamento difícil, rebeldes e teimosas, porque são essas que possuem maior resistência em soltar algo ou alguém. Quanto mais a mulher compreender que a TPM é sinônimo de temperamento difícil e que os hormônios apenas indicam a dureza de seu caráter, tanto mais ela sentirá que não precisa sofrer ou provocar perturbações em pessoas à sua volta se passar a ser mais flexível e amorosa para com os outros e para consigo mesma fora do período menstrual.

A mulher, por natureza, possui o privilégio de um ciclo que lhe traz às suas mãos todo o mal de seu coração para ser resolvido. Todo mês, por muitos anos de sua vida, ela terá a oportunidade de se encontrar consigo mesma e corrigir sua linha comportamental, para, assim, libertar-se de doenças e infelicidade. Pela TPM a mulher deve descobrir que seu lado yin (feminino) está comprometido pelo excesso de seu comportamento yang (masculino). Normalmente, a mulher yang é empresária, sócia majoritária, pioneira em algum empreendimento, dona de casa que assume a posição do marido na educação das crianças ou na administração das finanças, ou que carrega no peito o desejo de nunca perder numa concorrência ou competição, seja ela qual for. Essa mulher, por sentir que seu futuro depende do próprio esforço, rejeita a idéia da dependência emocional e financeira, e esquece de ser mulher yin: quase não veste saias ou vestidos, evita ser dengosa, bate de frente com os oponentes, ri pouco ou com histeria, não se sente sensual quando é caçada pois necessita ser caçadora, perdoa com dificuldade os erros e fraquezas alheias, não sabe perder sem conflitos. Essa mulher não se recupera alegremente, perdendo assim a força da fénix, ave que, segundo a mitologia grega, ressurgia mais bela das cinzas após ser queimada.
Perde então a beleza natural em seu ser, fazendo com que seu subconsciente dirija mal a progesterona (hormônio feminino) e lhe cause desconforto.

Se mudar seu comportamento, os próprios hormônios agirão a seu favor, trazendo-lhe uma sensação de paz e graça nunca sentidas antes por uma mulher yang. E gratificante saber que todo mal-estar da TPM significa, apenas, situações mal resolvidas no coração, que aparecem em forma de irritação, choro, agressividade e constantes desabafos aparentemente inexplicáveis aos olhos de quem assiste.

Cabe à mulher buscar formas de ajuda para aprender a reconhecer seus verdadeiros sentimentos e permitir-se viver livre de suas próprias cobranças.

Querida leitora, deseje do fundo de sua alma encontrar dentro de si mesma o mal que a aflige e tenha coragem de libertar-se dessas emoções mascaradas. Diga sempre o que pensa e sente, aprenda, a cada dia, a soltar os acontecimentos e compreenda de uma vez que tudo e todos que nos rodeiam fazem parte da vibração em que teimamos em permanecer. É importante sempre ter em mente que os semelhantes se atraem, por isso não acuse mais ninguém pelas suas mágoas e ressentimentos. Enxergue no outro a sua parcela de erros e veja que os problemas, sejam eles quais forem, também foram gerados por você, por incrível que pareça.



Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :