O termalismo Português

O termalismo português

A água possui inúmeros benefícios, tanto por dentro quando é ingerida como por fora em forma de tratamentos como os banho termais. Muitas das marcas de água que vemos à venda no supermercado possuem uma estância termal na localidade onde esta nasce. Desde a antiguidade que se sabe que os banhos termais são benéficos para a saúde tanto para prevenção de doenças como para o seu tratamento. Depois de um período de abandono, as termas voltaram a ser frequentadas por inúmeras pessoas que procuram fazer os seus tratamentos e combater doenças nas estâncias termais de Portugal.

Despesas dos tratamentos

Para as pessoas idosas ou com doenças profissionais as despesas dos tratamentos termais são comparticipados num valor fixo pela Segurança Social e outros subsidiados pelos sistemas de saúde. As despesas de deslocações e alojamento podem ser descontados no IRS. Além disso, este tipo de tratamento dá direito a baixa médica, pelo que pode ser realizado fora do período de férias.

Tratamentos cientificamente comprovados

O termalismo é uma prática cientificamente comprovada que traz benefícios à saúde, não só prevenindo doenças, como agindo sobre elas e diminuindo os seus sintomas. Os tratamentos termais produzem efeitos imediatos visíveis e, mais importante ainda, produzem efeitos a médio prazo. Daí que seja normal que, pelo menos uma vez por ano, as pessoas se desloquem às estâncias termais.

O tratamento termal

O termalismo não utiliza somente as propriedades da água em que está inserida a estância, engloba também todo um conjunto de tratamentos à base de produtos naturais retirados da nascente, como vapores, gases e lamas. Infelizmente, grande parte das pessoas que recorrem às termas não o fazem por mero cuidado preventivo da doença, mas sim com o intuito reabilitador que os seus tratamentos podem proporcionar, uma vez que a doença já está instalada. A cura termal faz-se normalmente com prescrição médica e é indicada a estância que melhor resposta possa dar à patologia da pessoa.

São as características químicas das águas que vão determinar o tipo de patologia a tratar:

Águas sulfúreas, gasocarbónicas ou fluoretadas Patologias das vias respiratórias: alterações rinofaríngeas e brônquicas
Águas bicarbonatadas, gasocarbónicas, cloretadas ou sulfatadas Patologias ou afecções do aparelho digestivo: gastroduodenais, hepatobiliares e do cólon
Águas sulfatadas, cálcicas e magnésicas Afecções nefrourinárias: rins e bexiga
Águas bicarbonatadas, carbonatadas, silicatadas ou águas fluoretadas, sulfúreas, sulfatadas, cloretadas e cálcicas Afecções reumáticas e musculoesqueléticas
Águas carbonatadas, bicarbonatadas, silicatadas e fluoretadas Perturbações do aparelho circulatório: varizes, hemorróides e hipertensão
Águas sulfúreas, bicarbonatadas, gasocarbónicas, silicatadas e fluoretadas Afecções dermatológicas
Águas bicarbonatadas, gasocarbónicas e silicatadas Doenças de foro metabólico endócrinas: diabetes, dislipidemia e gota
Águas quentes sulfúreas, sódicas e carbonatadas Afecções ginecológicas

Os tratamentos termais incluem inúmeras técnicas que vão desde banhos, duches, massagens, estufas, nebulizações de vapor, resinalações, gargarejos e banhos ou aplicações de lama. Esta última técnica apenas é utilizada nas termas de Chaves, Aregos e Vizela. As lamas termais têm um efeito vasodilatador e são indicadas para as perturbações articulares e as osteopatias, apresentando efeitos muito positivos.



1 Comentário to “O termalismo Português”

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome : Email :